Connect with us

Brasil

Governo do DF diz que vai construir cinco UBS este ano e licitar outras seis – Notícias

Published

on

Governo do DF diz que vai construir cinco UBS este ano e licitar outras seis – Notícias

[ad_1]


A Secretaria de Saúde do Distrito Federal pretende iniciar a construição de cinco Unidades Básicas de Saúde (UBS) no primeiro semestre deste ano. A medida vai beneficiar 48 mil pessoas nas regiões de Brazlândia, Santa Maria, Ponte Alta do Gama e na Estrutural. Atualmente, o DF está entre os três piores estados do país em relação à cobertura da atenção básica, com 63,3% de alcance, seguida por São Paulo (63,4%) e pelo Rio de Janeiro (57,2%). Os dados são de boletim do Instituto de Estudos para Políticas de Saúde.



Em nota ao R7, a pasta disse que pretende licitar, até o fim do ano, a construção de seis unidades básicas nas seguintes regiões: Arniqueira, Vicente Pires, Águas Claras, Riacho Fundo II, Planaltina e São Sebastião.


Professor de Saúde Coletiva da Universidade de Brasília, Éverton Luis Pereira explica que a atenção básica atua como porta de entrada dos pacientes e é essencial para a prevenção e monitoramento de casos.



O especialista declara que a atenção básica tem a importância também de mapear o território e entender os desafios enfrentados em determinadas regiões. “Eu conhecendo a realidade da população, consigo prevenir doenças e elaborar estratégias adequadas de promoção da saúde. Os profissionais que acompanham os pacientes sabem a realidade vivida por eles, os desafios, o que pode ser mudado naquela rotina”, explica.


Outro ponto destacado por Pereira é que a atenção básica deve atuar com a intersetorialidade das medidas. “Porque tem questões que não estão sob o domínio da saúde, que devem ser resolvidas pela educação, pela assistência social ou pela segurança pública. E a atenção básica teria também essa tarefa de se articular intersetorialmente, para resolver os problemas de saúde da população que está descrita ao seu território”, disse.







Saúde mental






Segundo a Secretaria de Saúde, em fevereiro a pasta deve concluir o projeto arquitetônico dos Centros de Atenção Psicossocial previstos para o Recanto das Emas e o Gama. No fim do ano passado, o R7 levantou com exclusividade que o déficit de psiquiatras nos Caps chega a 1,6 mil horas semanais.


A defasagem alcança 10 das 11 categorias que atuam nas unidades, principalmente, os técnicos administrativos, com déficit de 2,4 mil horas semanais. A categoria é seguida por terapeutas ocupacionais (1,5 mil horas semanais), assistentes sociais (1,4 horas semanais) e psicólogos (1,2 horas semanais).

[ad_2]

Continue Reading
Advertisement
Clique para comentar

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Revista Plateia © 2024 Todos os direitos reservados. Expediente: Nardel Azuoz - Jornalista e Editor Chefe . E-mail: redacao@redebcn.com.br - Tel. 11 2825-4686 WHATSAPP Política de Privacidade