Connect with us

Política

Governo indica nome para a Petrobras que já foi rejeitado por atividade partidária

Published

on

Governo indica nome para a Petrobras que já foi rejeitado por atividade partidária

[ad_1]

Petrobras
Indicação do advogado Renato Campos Galuppo esbarrou na ligação dele com o Cidadania, o que iria contra a Lei das Estatais.| Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) oficializou neste final de semana a indicação de um nome para o conselho de administração da Petrobras que já foi rejeitado no ano passado por atividade partidária. O advogado Renato Campos Galuppo não foi aceito em 2023 por ligação com o partido Cidadania, o que iria contra a Lei das Estatais que Lula vem tentando mudar desde o começo do novo mandato.

A indicação de Galuppo foi formalizada pelo ministro Alexandre Silveira, de Minas e Energia, que enviou um ofício para o presidente do conselho, Pietro Sampaio Mendes. A vaga a que ele foi indicado foi aberta com a renúncia de Efrain Pereira da Cruz, que era o número 2 da pasta e exonerado há pouco mais de uma semana.

Segundo interlocutores do governo, há a expectativa de que o nome de Galuppo não seja rejeitado novamente, e que ele siga no cargo após a assembleia-geral ordinária prevista para março que vai renovar os integrantes do comitê.

Silveira expressou a intenção de manter no
conselho Mendes, Bruno Moretti, Jean Paul Prates (presidente da Petrobras) e
Vitor Saback, este último aguardando confirmação oficial. O governo também
enviará três nomes para formar uma lista tríplice, seguindo o modelo que levou
à escolha de Sérgio Rezende no ano passado.

Especializado em direito eleitoral, Galuppo enfrentou objeções por sua vinculação com o Cidadania, mas o governo sustentou que a proibição foi alterada pela liminar do ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, que toma posse como ministro da Justiça e Segurança Pública no começo de fevereiro.

Essa decisão suspendeu parte da Lei das Estatais que impunha uma quarentena de três anos para políticos ou dirigentes partidários em estatais.

[ad_2]

Continue Reading
Advertisement
Clique para comentar

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Revista Plateia © 2024 Todos os direitos reservados. Expediente: Nardel Azuoz - Jornalista e Editor Chefe . E-mail: redacao@redebcn.com.br - Tel. 11 2825-4686 WHATSAPP Política de Privacidade