Connect with us

Brasil

Apesar de dois grandes apagões em 2023, ano teve menor média de falta de energia em 23 anos – Notícias

Published

on

Apesar de dois grandes apagões em 2023, ano teve menor média de falta de energia em 23 anos – Notícias

[ad_1]


Mesmo com dois grandes apagões registrados, 2023 foi o ano em que os brasileiros passaram, em média, menos tempo sem energia elétrica desde 2000. É o que mostram números da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), responsável pela regulação e fiscalização do setor no país. No ano passado, foram 9 horas e 36 minutos no escuro, contra 18 horas e 46 minutos sem luz registradas em 2012.




• Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp 
• Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
• Compartilhe esta notícia pelo Telegram
• Assine a newsletter R7 em Ponto


Veja os resultados ano a ano:


• 2000: 16 horas e 33 minutos

• 2001: 15 horas e 59 minutos

• 2002: 17 horas e 54 minutos

• 2003: 16 horas e 10 minutos

• 2004: 15 horas e 30 minutos

• 2005: 16 horas e 6 minutos

• 2006: 15 horas e 43 minutos

• 2007: 15 horas e 37 minutos

• 2008: 16 horas e 10 minutos

• 2009: 18 horas e 15 minutos

• 2010: 18 horas e 25 minutos

• 2011: 18 horas e 36 minutos

• 2012: 18 horas e 46 minutos

• 2013: 18 horas e 29 minutos

• 2014: 18 horas e 8 minutos

• 2015: 18 horas e 43 minutos

• 2016: 15 horas e 54 minutos

• 2017: 14 horas e 28 minutos

• 2018: 13 horas e 19 minutos

• 2019: 12 horas e 58 minutos

• 2020: 11 horas e 32 minutos

• 2021: 11 horas e 48 minutos

• 2022: 11 horas e 12 minutos

• 2023: 9 horas e 36 minutos


O número de 2023 contrasta com dois grandes episódios enfrentados pela população. Em agosto, erros em dados usados para funcionamento de usinas geradoras causaram corte de energia em 25 estados e no Distrito Federal.



O evento começou em uma linha de transmissão entre Quixadá e Fortaleza, no Ceará, que pertence à Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), uma subsidiária da Eletrobras. Roraima foi a única unidade federativa não atingida pelo episódio porque o estado é isolado e não faz parte do sistema integrado nacional.


Em novembro, mais de 2 milhões de pessoas foram prejudicadas por um apagão em São Paulo. Embora a maioria das regiões atingidas tenha passado 72 horas no escuro, alguns locais chegaram a ficar quase uma semana sem energia.


O episódio começou depois que uma forte tempestade e rajadas de vento de mais 100 km/h atingiram o estado, o que provocou a queda de centenas de árvores e diversos alagamentos. Oito pessoas morreram em decorrência das tempestades.


Segundo a Enel, a principal distribuidora de energia em São Paulo, a força dos ventos danificou a rede de distribuição, quebrou centenas de postes, derrubou transformadores e rompeu cabos elétricos. A concessionária atende à capital e a 23 municípios da região metropolitana de São Paulo.


Falta de luz


O Brasil registrou cortes de energia elétrica em todos os estados e no Distrito Federal em 2023, segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), responsável pela coordenação e operação das instalações de geração e transmissão de energia elétrica no país. No total, foram 217 interrupções, ocasionadas por perturbações da rede. O levantamento da ONS não considera Roraima, porque o estado não faz parte do sistema nacional.


O Rio Grande do Sul foi o local com mais interrupções — foram 42 cortes de energia no ano passado. Alagoas, Amapá, Espírito Santo e Santa Catarina registraram apenas um episódio de falta de luz, cada. Confira a lista completa:


Acre: 3

• Alagoas: 1

• Amapá: 1

• Amazonas: 10

• Bahia: 18

• Ceará: 14

• Distrito Federal: 2

• Espírito Santo: 1

• Goiás: 27

• Maranhão: 9

• Mato Grosso: 4

• Mato Grosso do Sul: 4

• Minas Gerais: 19

• Pará: 20

• Paraíba: 4

• Paraná: 14

• Pernambuco: 10

• Piauí: 3

• Rio de Janeiro: 11

• Rio Grande do Norte: 3

• Rio Grande do Sul: 42

• Rondônia: 11

• Santa Catarina: 1

• São Paulo: 9

• Sergipe: 2

• Tocantins: 3


Sem integração


Além de Roraima, ainda há 211 localidades isoladas no Brasil. O isolamento não atinge nenhum outro estado por inteiro, mas regiões do Acre, Amazonas, Rondônia, Amapá, Pará, Pernambuco e Mato Grosso também não são contempladas pelo sistema nacional. Nesses locais, o abastecimento é feito por meio de usinas térmicas a óleo diesel.


O preço da falta de integração é alto. Em 2019, como o R7 mostrou, o custo de energia nas áreas interligadas era de R$ 176 o megawatt (MWh), enquanto o preço dessa mesma energia para o sistema isolado era de R$ 1.287 o MWh, devido ao alto custo do diesel, que também é o suprimento mais poluente da matriz elétrica.

[ad_2]

Continue Reading
Advertisement
Clique para comentar

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Revista Plateia © 2024 Todos os direitos reservados. Expediente: Nardel Azuoz - Jornalista e Editor Chefe . E-mail: redacao@redebcn.com.br - Tel. 11 2825-4686 WHATSAPP Política de Privacidade